Autarquia quer sensibilizar alunos de Paredes para a reutilização de óleo usado 

Autarquia quer sensibilizar alunos de Paredes para a reutilização de óleo usado 

0
COMPARTILHE
Foto: C.M. Paredes

O Município de Paredes está a promover a distribuição e colocação de oleões em cerca de 22 escolas e jardins de infância do concelho de Paredes. A rede pública já dispõe de 20 equipamentos.

Com esta iniciativa de recolha de Óleo Alimentar Usado (OAU) a implementar nos estabelecimentos de ensino aderentes e que decorre de um protocolo com a empresa EcoMovimento, o pelouro do Ambiente da Câmara Municipal de Paredes sensibiliza os alunos para as boas práticas ambientais e para a reutilização do óleo usado que pode ser transformado em biodiesel, sabão e velas.

Para o vereador do pelouro do Ambiente, Francisco Leal, “a ideia deste projeto consiste na recolha dos óleos domésticos, por parte dos alunos em colaboração com os pais e professores, que serão depositados num recipiente próprio – oleão – disponível nas escolas aderentes para depois estes óleos serem transformados em algo útil como biodiesel ou em produtos como sabão e velas”.

Francisco Leal testemunhou esta quarta-feira, 7 de março, no Centro Escolar de Lordelo e no Centro Escolar de Cête e Parada de Todeia, acompanhado do vereador da Educação, Paulo Silva, a entrega dos oleões nestes estabelecimentos de ensino e explicou aos alunos as vantagens de “protegermos os óleos domésticos e incentivarmos à reciclagem dos óleos usados”.

Para o vereador do Ambiente “com esta iniciativa estamos a contribuir, sem dúvida, para melhorar o meio ambiente e para a formação das crianças, que no futuro serão adultos mais conscientes para os valores da ecologia e para importância da defesa ambiental”, sublinhou Francisco Leal.

Neste projeto os alunos serão premiados de acordo com os litros de óleo alimentar recolhidos. Os objetivos desta iniciativa passam por encaminhar corretamente estes óleos para o seu destino final, promovendo a política dos 4 R´s e prevenindo a sua descarga na rede de saneamento.

Valorizar os óleos alimentares usados recolhidos, contribuir para uma melhor qualidade ambiental e premiar as turmas e alunos que recolham a maior quantidade de OAU com material didático, informático, desportivo, etc., são os grandes propósitos desta ação.

Refira-se que a recolha de OAU está legislada pelo Decreto-Lei n.º 267/2009, de 29 de setembro, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei nº 102/2017, de 23 de agosto e estabelece o regime jurídico da gestão de óleos alimentares usados.

Os Óleos Alimentares Usados (OAU) são um resíduo com alguma importância ao nível dos hábitos domésticos das famílias, resultado da fritura de alimentos.

Devido à sua complexidade e elevado potencial de contaminação dos recursos hídricos, é fundamental a separação e encaminhamento deste resíduo.

 

Um litro de óleo é suficiente para poluir cerca de um milhão de litros de água, pelo que o esgoto nunca deve ser o destino a dar ao OAU, até porque podem danificar estas infraestruturas e potenciar o aparecimento de pragas. Por outro lado, poderão danificar os sistemas de tratamento de águas residuais (ETAR’s), uma vez que a gordura se acumula nos filtros, obstruindo-os e fazendo com que não funcionem devidamente, prejudicando o processo de tratamento das águas.

Recorde-se que nos casos onde não existe nenhum sistema de recolha, devem colocar-se os OAU no lixo indiferenciado, devidamente fechados numa garrafa de plástico.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA