Apresentação do Livro “O Rei Pequenino e a Rainha Grande e Mandona”...

Apresentação do Livro “O Rei Pequenino e a Rainha Grande e Mandona” de José Manuel Rodrigues Alves

0
COMPARTILHE

No dia 21 de Outubro, às 21h30, a Casa da Cultura de Paredes vai apresentar o livro “O Rei Pequenino e a Rainha Grande e Mandona”, de José Manuel Rodrigues Alves.

Nota do Autor

Os educadores acertam algumas vezes porque sabem, mas os pais e as mães podem acertar sempre porque amam. Basta que confiem nos seus instintos e sensibilidade.

Este pequeno livro traz-nos reflexões sobre nós próprios, o poder e o amor, a partir de uma viagem por um maravilhoso mundo mágico. Foi a forma que encontrei para tornar acessíveis alguns dos principais conceitos relativos à minha investigação, partilhando-os de modo a poderem ser úteis ao maior número de intervenientes no processo educativo.

Interessa aos pais e não só às suas crianças, Cada um no seu papel: à criança pela motivação da fantasia, da alegria, da curiosidade, do sentido de justiça ou injustiça; aos pais para aceitarem que deverão estar próximos nessa sublime aventura dos filhos construírem o seu maravilhoso mundo interior, que requer tempo, proximidade, perseverança, conversa, silêncio e alguma paciência.

Debaixo da desculpa de tornar necessária uma ajuda do adulto para melhorar a compreensão de certos termos mais invulgares, pretende-se que os filhos e os pais conversem dentro da constelação familiar, onde as funções paterna e materna deverão estar bem estruturadas.

É certo que, devido às exigências da vida adulta em sociedade, cada vez mais o tempo é escasso, de modo que gerar uma proximidade física, afetiva e psicológica entre filhos e pais se torna muito difícil de concretizar. Por isso esse será o desafio maior. Valerá a pena fazer um esforço sobrehumano para dar tempo e presença junto dos filhos, de forma a desenvolver uma estrutura de apego forte e sadia.

Existem duas fomes bem distintas: uma é a do pão, do alimento material, que não requer grande envolvimento para a satisfazer; a outra é a fome dos afetos, do amor, que requer o milagre do tempo e muitas outras competências, sendo muito difícil de satisfazer plenamente.
Tempo, presença, escuta, diálogo, respeito, abertura, compreensão , bondade, são algumas das dimensões que contribuem para saciar essa segunda fome dos afetos e reforçar o apego e gerar laços de amor.

É que é a força oculta do amor que constitui a dinâmica da transformação e do desenvolvimento sadio de qualquer criança. Citando o que Pessoa diz sobre o mito, tomo a liberdade de o repetir em relação ao amor, afirmando que é esse “nada que é tudo!”.

In. O Rei Pequenino e a Rainha Grande e Mandona de José Manuel Rodrigues Alves

Por Gabinete de Comunicação Câmara Municipal de Paredes

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA